SALMOS 95:1-3

"Vinde, cantemos ao Senhor: cantemos com júbilo à rocha da nossa salvação. Apresentemo-nos ante a sua face com louvores e celebremo-lo com salmos. Porque o Senhor é Deus grande, e Rei grande acima de todos os deuses..."

"Orando por quem te persegue e abençoando quem te amaldiçoa!"



sexta-feira, 6 de abril de 2012

Derrubando as Fortalezas da Alma

Tudo o que você precisa fazer é olhar para a raiz da palavra "mortificar", a qual significa morte, para saber que você está numa batalha dentro do processo de purificação. Paulo descreve esta batalha em Segunda Coríntios 10:Porque as armas da nossa milícia não são carnais, e sim poderosas em Deus, para destruir fortalezas, anulando nós sofismas— 2 Coríntios 10:4
Paulo disse que as nossas armas para a batalha que está sendo travada não são carnais. Em outras palavras, nós não travamos esta batalha interna com meios naturais. Ao invés disto, as nossas armas são poderosas em Deus para destruir fortalezas invisíveis ou barreiras que foram construídas em nossas vidas.Alguns crentes pensam que a palavra "fortalezas" no versículo 4 se trata de uma barreira invisível que o diabo construiu no fim de uma cidade para impedir que as pessoas desta cidade sejam salvas. Estes crentes acham que o trabalho deles é derrubar estas barreiras malignas do inimigo.Não, Paulo está se referindo a uma batalha pessoal. Como eu sei disto? Porque no versículo 5 ele diz: E toda altivez que se levante contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo pensamento à obediência de Cristo. Quem possui os pensamentos que são feitos cativos? Aquele que possui os pensamentos, possui a fortaleza. Paulo não mudou de assunto entre os versículos 4 e 5. As fortalezas que Paulo está falando são sofismas e toda altivez que se levantam contra o conhecimento de Deus. São fortalezas carnais no âmbito da alma. Paulo está dizendo para que levemos ao cativeiro todo pensamento desobediente porque o diabo irá nos cortar em pedacinhos com as fortalezas da alma que não são derrubadas. Algumas destas fortalezas nos atrapalham tanto que se não forem quebradas, morreremos nesta condição de derrota sem cumprir os desejos de Deus ou o nosso divino chamado. Uma fortaleza pode consistir de um conjunto de sofismas que faz uma pessoa ficar tão enfurecida que ela se separa da verdade através de contendas e falta de perdão. Uma fortaleza também pode ser um sistema elaborado de pensamentos religiosos que escravizam os corações e mentes de uma nação inteira. Mas, seja uma fortaleza na alma de um indivíduo ou em uma nação, tudo começa com um pensamento rebelde que se levanta con­tra o conhecimento de Cristo. Sou muito agradecido a Deus por ter-nos dado armas que são poderosas em Deus para derrubar estas fortalezas! Elas não são parte de um âmbito natural, elas são dadas no âmbito do Seu Espírito. A arma mais importante que Deus nos deu foi a terceira Pessoa da Trindade para viver em nosso inte­rior. Então, o Espírito Santo nos equipou com outra arma vital — uma linguagem sobrenatural. Esta linguagem é um dom que nos edifica acima de um âmbito carnal onde nossos sensos naturais dominam. E, à medida que usamos este dom, ao orarmos em línguas, o Espírito Santo começa com o processo de purificação de toda "altivez" que se levanta contra o plano de Deus em nossas vidas. Onde este processo de purificação acontece? Bem, tudo que se manifesta no exterior é geralmente uma figura do que está acontecendo em nosso interior. Portanto, a mortificação ocorre no âmbito de nosso caráter. O Espírito Santo começa um trabalho de discernir os pensamentos e intenções de nossos corações, tirando pela raiz os sistemas de pensamento e as fortalezas da alma que causam nossa queda. Ao continuarmos orando em línguas para nossa edificação pessoal, Ele destrói qualquer fortaleza da alma que não foi construída pela Palavra de Deus. Ao mesmo tempo, o Espírito Santo constrói uma superestrutura em nosso homem espiritual, transferindo revelação da Palavra de Deus. Com que propósito? Para nos amadurecer, nos edificar e nos fazer crescer mais e mais em Deus. A Palavra de Deus é uma espada de dois gumes que divide a alma e o espírito (Hb. 4:12). Ela é o único agente qualificado para trazer tal distinção entre espírito e alma. E neste processo de purificação que estão todos os âmbitos da alma e do espírito, é o único padrão que eu confio ao me empenhar para entender o trabalho do Espírito Santo em meu interior.Não importa quantos diabos venham atormentar a minha alma. Vou me pôr contra o ataque e ainda assim, escolher apenas a Palavra como meu padrão. Aquela espada de dois gumes já penetrou no meu espírito e eu me recuso a acreditar em qualquer coisa ou em qualquer pessoa que não esteja de acordo com o que a Palavra declarou.

Um comentário:

António Jesus Batalha disse...

Passei e vi seu blog e gostei, quero deixar um convite: Isto é, se o desejar, gostava que fizesse parte dos meus amigos virtuais no meu blog Peregrino e Servo, mas não se sinta coagiado a seguir, faça-o porque quer fazê-lo. É um blog evangélico, falamos de várias coisas, e é a intenção ajudar a cada pessoa a ser mais feliz, este blog foi feito a pensar na sua felicidade, pretende também aproximar mais a criatura do seu Criador.Decerto vou retribuir. Obrigado.